Blog

SAÚDE E BEM-ESTAR

Assine gratuitamente para receber dicas, atualizações e outros materiais.

Veja também...

RESISTÊNCIA INSULÍNICA: você conhece essa doença?


Primeiramente, vamos aos conceitos: Insulina é o hormônio produzido pelo pâncreas, que é liberado quando ingerimos glicose pela alimentação. Portanto, o pâncreas é o órgão produtor de insulina, nas suas células beta, e a insulina é o hormônio que contribui no controle da glicose – o “açúcar no sangue”.


A resistência insulínica é uma anormalidade no metabolismo da insulina, ou seja, é uma insulina que não consegue trabalhar de forma eficaz.

E a glicose? Quem é ela?


Ela é a fonte imediata de energia que as células obtêm para que possam realizar todas suas tarefas. Portanto, se não tiver glicose, a célula obtém outra fonte de energia, pois necessita sobreviver, mas a melhor, mais fácil e preferida via de fornecimento de energia é a glicose, a queridinha. Portanto, não tenham medo da ingesta de glicose, até os diabéticos, que sofrem de um distúrbio na quebra da glicose, devem consumi-la para não sobrecarregar as células e proteger outras.


O segredo que ninguém conta, ou conta e você não entendeu, está nas quantidades!

A insulina tem a principal função de, em termos coloquiais, pegar o açúcar e oferecer para algumas células, não todas, pois o sistema nervoso, por exemplo, não depende da insulina para captar glicose, ele tem um mecanismo próprio, e faz parte da proteção natural do nosso corpo.


Antes de conhecer o distúrbio, resistência à insulina, há muito muito tempo atrás, onde pesquisadores perceberam que ao retirar o pâncreas, os indivíduos apresentavam sinais e sintomas de diabetes: glicemia aumentada, fome, aumento da frequência urinária, perda de peso. E observaram, ainda que, ao colocar o extrato de pâncreas no individuo, os sintomas melhoravam. Ou seja, nasceu o entendimento da relação entre o pâncreas, a insulina e o controle da glicemia.


Com a evolução da medicina, muito já se descobriu. Viu-se que a diabetes tem várias formas de apresentar hiperglicemia, não apenas pela falta da insulina, mas também pelo não funcionamento da mesma, gerando assim vários tipos de diabetes.

Quando a insulina não funciona bem, antes mesmo de apresentar hiperglicemia, chamamos isso de resistência à insulina.


Portanto, a resistência à insulina é um mecanismo inadequado de funcionamento da insulina, que ocorre de forma genética, pessoas nascem com essa alteração, e que pode culminar com várias doenças: entre elas já descrita a diabetes, obesidade abdominal, aumento de colesterol.


Então está entendido, para ter a resistência à insulina (RI) não precisa estar com hiperglicemia.

A RI vem antes, e com o tempo, apresenta situações piores. Portanto, o diagnóstico precoce e controle de RI é essencial! Seria como tomar vacina para prevenir doenças infecciosas, devemos controlar a RI para combater as complicações.

Acredita-se que a RI ocorre assim: sabe aquelas células que citei anteriormente que necessitam de insulina para permitir a entrada da glicose – o açúcar, dentro dela?


Nas células existem os receptores de insulina, e o que parece é que esses receptores nascem falhos. Então a mensagem para entrada de glicose na célula não é ativada e a glicose permanece na corrente sanguínea, o que faz o pâncreas interpretar que precisa secretar mais insulina, mas não consegue mandar sua mensagem, e a glicose fica aumentando na corrente sanguínea, gerando todo ciclo e de presente vem a “bola de neve”: hiperglicemia, oxidação, depósito de gordura (porque as células sem a glicose entendem que está faltando estoque e inicia o depósito de gordura como estoque de energia), inflamação, exaustão do pâncreas e as doenças consequências disso: diabetes, colesterol aumentado, formação de placas de gordura nos vasos, infarto, “derrame”.


Mas então, se nenhum receptor funciona com a insulina, então todas as células ficam sem a glicose para trabalhar?


Não é tão radical assim, pois se assim fosse, as células não sobreviveriam apenas com outras fontes de energia. O que acontece é que o receptor recebe a insulina, mas não trabalha muito bem em enviar a mensagem, e a glicose que entra é pouca. Não um impedimento total da entrada de glicose.


A RI está ainda associada com outras doenças, mas não se sabe como isso ocorre, por exemplo, a síndrome do ovário policístico (SOP) é um distúrbio ginecológico, mas ainda não se sabe como uma coisa conversa com a outra: ginecológico com pancreático. Mas o que se observa é que na SOP, o indivíduo pode ter uma dificuldade de engravidar, que as vezes melhora com o controle da RI, que coisa né?

Outros achados são a “acanthosis nigricans”, e os acrocórdons.

ACROCÓRDONS ACANTHOSIS

A “acanthosis nigricans” um escurecimento que se dá na pele nas dobras de axilas, região inguinal e posterior do pescoço, casos mais avançados ao redor dos olhos e os acrocórdons são aqueles sinais, escuros e pequenos, em muita quantidade, que não incomodam e que chegam a ficar suspensos ao redor do pescoço, axila principalmente, mas pode ocorrer em todo corpo. Não se sabe relacionar ainda a pele com o pâncreas, mas que a RI está associada com esses achados é fato.

Ainda, não existe um exame perfeito, maravilhoso, fiel para o diagnóstico de RI, infelizmente.


O exame mais próximo para o diagnóstico de RI é o exame clinico, e para isso, o médico precisa avaliar o paciente fisicamente e com exames. Entre alguns métodos, que apesar de não serem fiéis, ajudam no esclarecimento e cada vez mais tem surgido técnicas de aperfeiçoamento dos métodos de diagnóstico. São eles: cálculo da insulina basal em jejum, teste de homeostases model assesment (HOMA), curva glicêmica, teste de tolerância a insulina, teste de supressão da insulina e técnica do clamp.


Mas não vamos se assustar!

O importante é tratar e prevenir.

Muitas vezes a insulina fica aumentada quando o indivíduo ingere muito carboidratos, que são fonte de uma enorme quantidade de glicose. Alimentação rica em carboidrato, piora o quadro de RI, sendo muito importante a conscientização do paciente de fazer mudanças alimentares, sendo esta, podendo ser, às vezes, o suficiente para impedir a RI. Foi citado anteriormente que, na RI, a glicose consegue entrar na célula, porém não toda, assim uma dieta com glicose é importante, só não precisa ser tanto.


Qual a dieta apropriada para reduzir os níveis de glicose na corrente sanguínea e consequentemente a quantidade de insulina secretada?


Acredito que os ventos seguem indicando uma dieta “low carb” ou paleo. Paleo e “low carb” são a mesma coisa. Por ser muito nova e estar “na moda”, ainda não é científico, ou seja, não temos estudos de longa data, avaliando os benefícios, os malefícios, a segurança e a forma de realizar a low carb. Mas sua teoria tem seu valor.

Veja “low carb” ou dieta paleo, ou paleolítica no meu blog.


Caso a RI seja intensa, não suficientemente controlada com perda de peso, rotina de exercícios e controle alimentar, medicações podem ser necessárias.


Um beijo,

Dra. Lia Lima

Para mais

informações

Agende uma

Consulta!

Últimas Postagens

  • Instagram ícone social
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon

Uma atuante no metabolismo funcional e low carb que tem o objetivo de utilizar e agregar a tecnologia como complemento do tratamento de pacientes com distúrbios metabólicos, prestar informações relevantes sobre as doenças metabólicas e propiciar um meio para compartilhamento de experiências no enfrentamento dessas doenças e incentiva-los na busca de qualidade de vida!

Dra Lia Lima

CLÍNICA

Edifício Bacelar Work Center, 
R. Dr. Bacelar, 368 - Vl Clementino, Cj 51
São Paulo - SP, 04026-001

WhatsApp Image 2018-07-27 at 12.15.26
WhatsApp Image 2018-07-27 at 12.15.25
WhatsApp Image 2018-07-27 at 12.15
WhatsApp Image 2018-07-27 at 11.44.46
WhatsApp Image 2018-07-27 at 11.44
WhatsApp Image 2018-07-27 at 11.44.47
WhatsApp Image 2018-07-27 at 11.44.48
WhatsApp Image 2018-07-27 at 11.44.45
WhatsApp Image 2018-07-27 at 11.44

Dra. Lia Lima -  Todos os direitos reservados. © 2016 

Tel.: (11) 3181-8283

(11) 97577-9922 

  • YouTube - White Circle
  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle